Os livros e a leitura na era digital

iPhone 5S, Galaxy S4, iPad, Galaxy Tab, iPad mini, Kobo, Nook, Kindle. Dito de outra forma, smartphones, tablets e leitores de livros electrónicos.

Estes substantivos já fazem parte do nosso dia-a-dia. Podemos não ter nenhum deles, mas com certeza já ouvimos falar. Com estes aparelhos podemos comunicar com outras pessoas, jogar, ver vídeos, tirar fotografias, gerir o nosso calendário, apontar a lista de compras e ler. Podemos ler páginas de Internet, ler o nosso correio electrónico, aceder a aplicações de jornais e ler livros e documentos. E dentro destes aparelhos podemos carregar uma biblioteca inteira.

Mas será que vamos ler todos os livros digitais dessa biblioteca?

Pergunta controversa que tem muitas respostas. Eu posso falar sobre a minha experiência pessoal. Tenho um smartphone que uso como telemóvel, para aceder à Internet, às redes sociais e a algumas aplicações de jornais, para tirar fotografias e também jogar. Também tenho um tablet que raramente uso. E também tenho um leitor de livros electrónicos no qual tenho vários livros guardados que já comecei a ler, mas ainda não terminei nenhum. E tenho também vários livros impressos, esses quase todos lidos… Por isso, para mim a resposta é bastante simples: não.

Mas o Prof. Doutor Gustavo Cardoso, que apresenta hoje o resultado de um inquérito feito em 16 países, afirma que a resposta não pode ser assim tão linear. O inquérito, resultado de um estudo sobre os livros e a leitura na era digital aponta para um conceito de leitura digital muito amplo. Estamos a falar de leitura de tudo o que é digital: páginas web, blogues, redes sociais, jornais, revistas, bases de dados como também documentos e livros e cada uma destas categorias exige um diferente tipo de leitura, pois não lemos o “feed” de notícias do Facebook da mesma maneira que lemos um livro de ficção em formato electrónico. E por isso é perigoso aplicar chavões como a morte anunciada do livro em formato papel e o triunfo do livro digital.

Como parece indicar o estudo, o que está a acontecer é o surgimento de novos leitores. Leitores que liam e continuam a ler em papel e que também lêem no digital e leitores que não liam em papel, mas que passaram a ler em formato digital e também em papel.

É provável que o paradigma impresso/digital coexista durante mais alguns anos, ou que talvez nunca acabe, e as instituições que primeiramente tiveram como objectivo divulgar o material impresso (editoras e bibliotecas, por exemplo) continuem a operar da mesma forma. No entanto, vão ter que progressivamente adaptar-se ao digital, para poder oferecer aos seus clientes versões impressas e electrónicas de livros nos seus catálogos, como já acontece com várias editoras nacionais e estrangeiras. Em relação às bibliotecas, algumas já oferecem versões electrónicas de livros nos seus catálogos e a grande maioria das bibliotecas académicas em Portugal já têm um catálogo que permite o acesso a texto integral de produção científica (teses, dissertações, revistas, etc…), como é o caso dos repositórios digitais.

Por estas razões, durante mais alguns anos podemos falar de uma certa coexistência pacífica entre o impresso e o digital, entre os leitores tradicionais e os mais tecnológicos.

Os resultados do estudo vão ser apresentados na Conferência Internacional de Educação 2013 que tem lugar na Fundação Calouste Gulbenkian.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Internet, Literacia, Sociedade da Informação, Uncategorized com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s